Cruzadas: Resumo (causas, objetivos, consequências e principais Cruzadas)

cruzadas resumo causas consequências objetivos quem participou


Cruzadas


As Cruzadas foram expedições militares enviadas para libertar a Terra Santa (Jerusalém, na Palestina) que estava dominada pelo poder Islâmico. A primeira foi convocada pelo papa Urbano II no ano de 1095.

A principal motivação das Cruzadas era a (a Igreja exercia grande poder sobre as pessoas, que acreditavam piamente na doutrina cristã), além do gosto pela aventura e também do interesse em se desenvolver o comércio com rotas comerciais

1ª Cruzada (1096-1099)

Foi convocada pelo papa Urbano II no Concílio de Clermont e obteve sucesso, conquistando Jerusalém em julho de 1099 e fundando vários Estados à moda feudal (Principado de Antioquia, Condado de Edessa). Antes dela, houve uma cruzada não-oficial que foi improvisada e acabou fracassada, denominada "Cruzada Popular" ou "Cruzada dos Mendigos". 

2ª Cruzada (1147-1149)

A Segunda Cruzada foi enviada pelo papa Eugênio III para restaurar a ordem na região, pois os Estados  cristãos fundados pela Primeira Cruzada estavam em conflito com as forças inimigas (os árabes tomaram Edessa). Entretanto, a Segunda Cruzada fracassou principalmente por conta das divergências de seus chefes e, para complicar as coisas, os muçulmanos retomaram Jerusalém em 1187. 

3ª Cruzada (1189-1192)

É também conhecida por "Cruzada dos Reis" (participaram dela: Ricardo Coração de Leão, da Inglaterra; Frederico Barba-Ruiva, do Sacro-Império; Filipe Augusto, da França). Jerusalém estava sob domínio do sultão Saladino e, após diversos combates, Ricardo Coração de Leão conseguiu um tratado com Saladino onde autorizava os cristãos a peregrinarem à Jerusalém. 

4ª Cruzada (1202-1204)

Foi uma cruzada marítima que partiu de Veneza, conquistando e saqueando Constantinopla. Observação: essa cruzada foi financiada pelos venezianos, que por sua vez tinham interesses comerciais.

Cruzada das Crianças (1212)

Como o nome diz, essa cruzada foi constituída por crianças e adolescentes (elas acreditavam que tinham o poder divino e que conquistariam Jerusalém). O fim foi trágico: muitas morreram durante a cruzada ou foram vendidas como escravas aos muçulmanos ao chegarem ao porto de Alexandria, no Egito.

5ª Cruzada (1218-1221)

Tinha como meta o Egito a fim de conquistar posições de apoio ou então para barganhá-las em troca de Jerusalém. Ela também fracassou por falta de reforços e também por ficar isolada pelas enchentes do Rio Nilo. 

6ª Cruzada (1228-1229)

Foi liderada pelo imperador da Alemanha (Frederico II), que se aproveitou das desavenças entre os sultões do Egito e de Damasco para conseguir o controle de Jerusalém, de Belém e de Nazaré. Mas em 1044 os cristãos novamente perderam o controle da Terra Santa para os turcos.

7ª Cruzada (1248-1250)

Foi comandada pelo rei da França (Luís IX) e foi um grande fracasso. Mais uma vez, ocorreram as dificuldades com as cheias do Rio Nilo e, para complicar, seus homens foram dizimados pelo tifo. Luís foi preso e libertado após o pagamento de 500 mil moedas de ouro.

8ª Cruzada (1270)

Como a anterior, essa cruzada também foi liderada pelo rei da França e também fracassou. A situação no Oriente Médio estava bem mais complicada, já que os próprios cristãos estavam em desavenças, além de serem alvos dos mongóis. 

Consequências das Cruzadas 


As Cruzadas, apesar de fracassarem (por não conquistarem a Terra Santa) e de aumentarem as tensões entre cristãos e muçulmanos, ajudaram a desenvolver o comércio da Europa (já que os cavaleiros saqueavam as cidades e montavam feiras nas rotas comerciais), enfraqueceram a aristocracia feudal e fortalecerem o poder real.

Neste resumo, explicamos o que foram as Cruzadas (objetivos e causas), quais foram as principais Cruzadas, quem participou e também explicamos as suas consequências. Portanto, explicamos tudo o que você precisa saber sobre este assunto.

Próximo
« Prev Post
Anterior